Templo cananeu é descoberto em cidade bíblica destruída por Josué

A Universidade Hebraica de Jerusalém anunciou na segunda-feira (17) a descoberta de um templo cananeu e muitos artefatos em Laquis.

Datados do século XII a.

C, o local pode indicar a cidade que foi destruída pelos israelitas, liderados por Josué, após os 40 anos de deserto.

A equipe foi coordenada pelo professor Yosef Garfinkel, do Instituto de Arqueologia da universidade, e pelo professor Michael Hasel, da Universidade Adventista do Sul, no Tennessee e a descoberta foi apresentada ao The Journal of Council for British Research in the Levant, segundo o The Jerusalem Post.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADEEm Josué 10:31 e 32, onde lemos: “Então Josué, e todo o Israel com ele, passou de Libna a Laquis; e a sitiou, e pelejou contra ela; E o Senhor deu a Laquis nas mãos de Israel, e tomou-a no dia seguinte e a feriu a fio de espada, a ela e a todos os que nela estavam, conforme a tudo o que fizera a Libna”.

Entre as descobertas cruciais, havia um fragmento de cerâmica com a letra hebraica samekh, que representa a gravura mais antiga conhecida da carta, artefatos de ouro e estatuetas de culto, incluindo estatuetas representando o deus guerreiro Ba’al, mencionado dezenas de vezes na Bíblia – incluindo vários casos em que os israelitas se voltam para o seu culto, apesar dos mandamentos de Deus.

O local onde era a cidade de Laquis foi identificado pela primeira vez em 1929 por William Foxwell Albright, considerado o pai fundador da arqueologia bíblica, como explicou o professor Garfinkel.

“A cidade era um grande centro cananeu, como sabemos de fontes históricas”, disse ele.

“Não há outro sítio nesta região tão proeminente.

É o local certo, o lugar certo, e o nome ‘Laquis’ foi encontrado em algumas inscrições lá”, completou ele que escava a região desde 2013.

“Descobrimos o templo e dedicamos três ou quatro anos a ele, porque é muito raro encontrar locais cananeus em Israel”, disse Garfinkel.

“Esse tipo de estrutura só foi descoberto em Megiddo, Nablus e Hazor.

Mas é a primeira vez que revelamos um templo simétrico tão grande e monumental”, afirmou.

O layout em forma de quadrado do edifício apresentava um composto na frente, marcado por duas colunas e duas torres que levavam a uma grande sala, bem como um santuário interno com quatro colunas de apoio e várias “pedras em pé” que poderiam representar os diferentes deuses adorados.

Além disso, apresentava numerosas salas laterais.

Categoria:Ciência & Saúde